sexta-feira, 9 de outubro de 2015

Vans blindadas: uma boa alternativa aos carros-fortes de concepção tradicional

Ainda não é muito comum no Brasil o uso de vans médias blindadas no transporte de valores em substituição aos carros-fortes baseados em chassis de caminhão, embora já tenha uma aplicação ainda discreta na Brink's, empresa de transporte de valores de origem americana que atua no mercado brasileiro desde 1966 e incorporou algumas Mercedes-Benz Sprinter 313CDI na frota a partir de 2007. Visando uma melhor manobrabilidade em espaços restritos e redução do peso vazio (tara) do veículo, foi usada a versão de entre-eixos curto e teto baixo, ainda que o uso de climatizadores evaporativos instalado aumente a altura externa.
Teoricamente, não haveria nenhum impedimento à montagem de uma carroceria especial para transporte de valores numa plataforma de van a exemplo do que hoje se faz na Espanha, mas como desde 2002 a Mercedes-Benz não oferece mais a Sprinter no mercado brasileiro como chassi para encarroçamento especializado, apenas versões de chassi e cabine ou com carroceria integral, esta última serviu de base para a versão blindada em uso pela operação brasileira da Brink's. De qualquer maneira, algumas vantagens práticas no uso de um veículo desse porte são evidentes. Além da manobrabilidade, tem a operação livre nas chamadas "zonas máximas de restrição" ou "zonas VUC" onde há limites rígidos para o tamanho de veículos de carga que possam transitar sem restrição de horário, normalmente em torno de 5,50m de comprimento e 2,20m de largura.
Outra característica bastante peculiar da operação de transporte de valores está nos longos tempos de parada com o motor ligado em marcha-lenta. Nessa situação, como o motor de uma Sprinter tem por volta de 50% da cilindrada do motor de um caminhão (variável para mais ou para menos) entre 7 e 8 toneladas de PBT usado como base para um carro-forte tradicional, é de se esperar uma sensível redução no consumo de óleo diesel durante as paradas. Em marcha, mesmo considerando que o motor da Sprinter é de alta rotação enquanto os carros-fortes normalmente usam motor de baixa rotação, outros fatores tão diversos quanto o peso, o arrasto aerodinâmico e as relações de marcha são mais decisivos no tocante ao consumo, e neles a van se sai melhor.

Há condições bastante propícias a uma maior presença de vans no segmento do transporte de valores, que vão desde o trânsito cada vez mais caótico nos grandes centros urbanos até os preços exorbitantes dos combustíveis, passando por uma maior importância que vem sendo dada à "sustentabilidade", e tanto o consumo de combustível mais contido quanto as emissões relativamente baixas se enquadram nessas expectativas. A bem da verdade, chega a causar alguma estranheza que essa aplicação ainda não tenha ganhado tanta popularidade no Brasil.

5 comentários:

  1. Já fui na Espanha e lá todo carro forte que eu via era feito com chassi de Sprinter.

    ResponderExcluir
  2. Acho que já seria viável aumentar o uso dessas vans no lugar dos blindados montados com chassi de caminhão. Com o preço do diesel nas alturas a economia seria boa, e os pneus menores são mais baratos.

    ResponderExcluir
  3. Não dá mais para insistirem em usar os caminhões em meio a um trânsito caótico. O porte mais compacto da van é suficiente.

    ResponderExcluir
  4. Essa van e mais fraca com relação a blindagem só a julgar pela frente um tiro no radiador já para o motor por aquecimento e já elas andando na arrancada ela se arrasta devido ao peso da blindagem e ela não suportaria um ataque a tiros igual ao carro forte mas a ideia e boa e deveria investir em carro forte compacto para perímetro urbano essa van tem q melhorar muito mas a ideia esta valendo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Até pode ser aplicada uma proteção para o radiador por trás da grade original. Mas no geral, uma carroceria desenvolvida desde o primeiro momento para o transporte de valores permite uma redução do peso total do veículo sem sacrificar a funcionalidade e a segurança. Quanto ao chassi, na Espanha não é incomum o uso de chassis da Sprinter como base para a montagem de carros-fortes.

      Excluir

Por favor, comente apenas em Português ou em Espanhol.

Please, comment only in Portuguese or Spanish.
In doubt, check your comments with the Google Translate.

Since July 13th, 2011, comments in other languages won't be published.