quinta-feira, 10 de março de 2016

Momento nostalgia: GMC TopKick de 2ª geração

Durante a 2ª metade da década de '90, a General Motors do Brasil adotou uma estratégia arriscada ao reintroduzir no mercado nacional a marca GMC, que a partir de '95 passou a ser usada nos caminhões enquanto os automóveis e utilitários mais leves permaneciam como Chevrolet, até encerrar a produção e comercialização de caminhões no mercado brasileiro entre o final de 2001 e o início de 2002. Durante essa fase, entre '96 e 2001 um dos modelos que mais chamava a atenção era o equivalente local à 2ª geração do GMC TopKick americano e canadense e do Chevrolet Kodiak, designação que também chegou a ser usada em mercados latino-americanos onde foi seguida a estratégia conservadora de manter a marca Chevrolet para os caminhões e abrangia desde o México até países vizinhos como o Uruguai, a Argentina, a Colômbia e a Venezuela. Lançada no exterior em '90, permaneceu em linha no México e na Venezuela até 2009 enquanto nos Estados Unidos e no Canadá saiu de cena em 2002 e foi substituído por uma 3ª geração entre 2003 e 2009. Como os nomes adotados originalmente no exterior poderiam causar alguma confusão junto aos consumidores brasileiros (da fauna norte-americana para os Chevrolet e gírias ou patentes militares para a linha GMC), optou-se por seguir um expediente próximo ao que concorrentes como a Volkswagen faziam e usar uma nomenclatura que refletisse o peso bruto total em toneladas seguido da potência, e assim a versão com PBT de 12 toneladas e potência de 170hp ficou como 12-170, a de 14 toneladas e 190hp como 14-190 e por fim a de 16 toneladas e 220hp como 16-220, todas com 2 eixos e tração 4X2, embora alguns tenham sido equipados com 3º eixo instalado por terceiros. A cabine era compartilhada com a pick-up Chevrolet Silverado da geração GMT400, mas com capô próprio em peça única integrando os paralamas dianteiros e abertura basculante frontal. Um dos destaques era a facilidade para implementação, com os tanques de combustível montados imediatamente abaixo da cabine liberando espaço paralelo às longarinas do chassi. Digno de nota também era o conforto, e até o câmbio automático ainda raro em caminhões brasileiros era oferecido como opção. O motor Caterpillar 3116 de 6 cilindros em linha e 6.6L é constantemente apontado como o principal motivo para o fracasso comercial da série, tendo em vista o alto custo de peças de reposição que acaba motivando a substituição por motores mais comuns no país como o Cummins B5.9 e o MWM 6.10, ambos com a mesma quantidade e disposição de cilindros, além do conteúdo importado que não só dificultava a obtenção de financiamento mas também o deixava muito sujeito aos efeitos da flutuação cambial. Hoje é difícil encontrar algum remanescente operando no Brasil.

Um comentário:

  1. He visto un con motor Vortec 8100 en Venezuela con unos bachaqueros. Es increíble como no los molesta que ahorre gasolina de forma tan desaforada.

    ResponderExcluir

Por favor, comente apenas em Português ou em Espanhol.

Please, comment only in Portuguese or Spanish.
In doubt, check your comments with the Google Translate.

Since July 13th, 2011, comments in other languages won't be published.