domingo, 7 de novembro de 2010

Gás: opção natural?

Seria o gás realmente uma opção natural, ou reflexo da falta de opção no mercado brasileiro? Embora alguns postos da Petrobras ostentem letreiros onde se vê "gás: opção natural", tal combustível só ganhou tanta popularidade (que viveu uma breve redução logo após o governo boliviano se apropriar de instalações da Petrobras naquele país) em função da proibição do uso de diesel em veículos com capacidade de carga inferior a 1000kg, excetuando os 4x4 com reduzida ou que transportem 9 passageiros sem contar o condutor (sempre homologados como ônibus independente do peso bruto total, capacidade de carga ou formato da carroceria, fazendo com que até alguns sport-utilities sejam homologados como tal quando equipados com assentos adicionais - caso de alguns dos Mitsubishi Pajero Full de 2ª geração que foram importados para o Brasil em versões com 10 lugares para recolher menos impostos). Em alguns países que não promovem tão absurda restrição ao uso do diesel o gás é apenas mais uma opção, ao invés de ser encarado como a única forma de reduzir despesas com combustível para motoristas profissionais ou quem use o veículo para percorrer longas distâncias. Eu até já tive bastante contato com carros a gás e similares a diesel, então não falo apenas da boca pra fora.


Para taxistas brasileiros o diesel seria uma opção perfeitamente viável, como é comprovado por profissionais da mesma categoria no exterior, que raramente recorrem a outros combustíveis. Até na Argentina, que conta com a 3ª maior frota de carros a gás natural do mundo atrás apenas de Índia e Paquistão, a opção de motores a diesel está disponível para quem prefira a simplicidade de manejo de um combustível líquido, não queira descaracterizar a originalidade do veículo ou acabe percorrendo localidades mais remotas onde é mais difícil encontrar infraestrutura de distribuição de gás.

Por incrível que pareça, alguns modelos de fabricação brasileira são oferecidos em versões a diesel destinadas apenas à exportação, como acontece com a Chevrolet Meriva, atualmente um dos modelos favoritos dos taxistas. Entretanto, o cenário político não é mais o mesmo das crises do petróleo durante a década de 70, onde o diesel passaria a ser priorizado para "utilitários" destinados ao transporte pesado ou uso severo fora-de-estrada.



Entretanto, associado às restrições à importação de veículos, alguns modelos destinados ao transporte de cargas eram transformados em veículos de passeio e ainda se beneficiavam tanto da economia do diesel quanto da robustez dos chassis de utilitários, mais aptos a enfrentar a até hoje bastante precária malha viária brasileira, criando uma distorção do pretexto de beneficiar o transporte em massa.
Até hoje ocorre uma situação semelhante com sport-utilities de luxo que apesar de serem providos da tração 4x4 só desfilam em portas de escolas e estacionamentos de shoppings.



Não é raro, entretanto, encontrar veículos para transporte de cargas com capacidade inferior a 1000kg sendo usados realmente para fins comerciais, alguns até convertidos para gás, tendo como efeito colateral a diminuição da capacidade de carga. Se a intenção fosse beneficiar quem usa o veículo para trabalhar, no mínimo todos os veículos de carga e táxis deveriam ser liberados para rodar com diesel.



Outro ponto que eu destaco, novamente, é a questão do biodiesel e do uso de óleos vegetais como combustível ao invés do etanol, por demandar menos terras agricultáveis para a produção de combustível devido à maior eficiência dos motores Diesel, e ainda há uma redução dos níveis de contaminação do solo devido à rusticidade de algumas oleaginosas permitir que se dispensem alguns produtos químicos usados na lavoura. Podendo contar com uma maior participação da agricultura familiar na cadeia produtiva, principalmente em locais como o sertão do Nordeste brasileiro onde o clima severo prejudica culturas que dependam de um grande volume de irrigação, e sem a dependência a uma única matéria-prima principal como ocorre com o etanol de cana brasileiro (embora o chamado "etanol de 2ª geração" pudesse aproveitar resíduos celulósicos - sobretudo bagaço e folhas - que atualmente são queimados em caldeiras para produção de energia termoelétrica no caso do bagaço, enquanto as folhas acabam ainda se tornando um problema ambiental com a prática da queima do canavial antes da colheita, tanto pela emissão de gases estufa quanto pela fuligem), algumas oleaginosas, ainda, acabam melhorando a qualidade do solo para rotações de cultura ao capturar elementos livres na atmosfera como o nitrogênio. Fora isso, explosões são mais raras em veículos movidos a (bio)diesel/óleo vegetal e ainda é mais fácil controlar um incêndio que num veículo similar a gasolina/etanol/gás. No caso do combustível de cana, é ainda mais complicado pelo fato da chama ser incolor.




Até algumas agências estatais seriam beneficiadas com uma flexibilização das regras de uso de diesel, ou então da implantação de um programa de uso de biodiesel e óleos vegetais (que acabaria se tornando mais fácil de implementar com a oferta regular de modelos leves movidos a diesel no mercado nacional - basta observar que os maiores avanços no domínio dessa tecnologia ocorrem em países com uma frota significativa de veículos leves movidos a diesel, tanto por parte de empresas visando fins de publicidade pela atitude "ecologicamente correta" ou por entusiastas que o usam em veículos particulares). Não é incomum ver ambulâncias de pequeno porte movidas a gasolina ou etanol (seria bastante difícil fazer os pacientes e equipes disputarem espaço com um sistema de gás veicular) servindo às populações de cidades interioranas viajando grandes distâncias transportando pacientes para grandes centros urbanos, demandando mais paradas para reabastecimento que uma similar a diesel necessitaria. Isso ainda me faz lembrar do caso da proibição do uso de celulares e modens 3G em alguns ambientes hospitalares como as UTIs em função das ondas eletromagnéticas emitidas e recebidas por tais aparelhos, e motores a diesel normalmente emitem menos radiação eletromagnética.


Em alguns veículos utilitários mais pesados nem há opção de motores a gasolina/álcool, pois a eficiência do diesel faz com que sejam considerados inviáveis. Assim, o uso do diesel em modelos mais leves acabaria facilitando a logística ao fazer com que um mesmo tipo de combustível atenda a toda a frota (organizações militares vinculadas à OTAN normalmente adotam tal prática). Em alguns casos o gás ainda é considerado uma opção devido ao custo inicial não tão alto quanto o diesel, mas sistemas veiculares a gás acabam ocupando mais espaço e sendo mais pesados, limitando a capacidade de carga (incluindo espaços para arrumação) e o desempenho.




Forças policiais seriam outras agências beneficiadas. Não é raro ver modelos como a Meriva e as já clássica Blazer com algumas adaptações para rodar com gás natural, e no caso da Meriva acaba demandando uma modificação no assoalho traseiro para poder manter o espaço destinado ao "xadrez", e o peso adicional ainda força demais a suspensão e os freios, e até a estrutura. Mais inadequado ainda é o caso da Blazer, que até já teve versões a diesel mas foram tiradas de produção pelo custo inicial de aquisição ser bastante superior ao modelo a gasolina/álcool: para aproveitar totalmente o espaço posterior ao eixo traseiro onde originalmente iria o estepe, não é incomum remover a barra estabilizadora do eixo traseiro, como se não bastasse o centro de gravidade naturalmente mais alto num sport-utility tradicional. Tais gambiarras não seriam necessárias nas versões a diesel, que ainda possibilitariam aos policiais uma autonomia maior para fazer as patrulhas.


No fim das contas, eu continuo considerando que o gás não é uma opção tão natural...

19 comentários:

  1. Apesar de tudo o gás é bem melhor que a gasolina, sai bem mais barato. E tem desconto do IPVA.

    ResponderExcluir
  2. Eu só uso gás por falta de opção e o pior é que deixa de caber umas duas malas por causa do cilindro no meu Corsa sedã. Preferia ter pago o dobro que paguei pela adaptação do gás num motor a diesel que não me tiraria espaço não precisaria trocar velas e só o tanque me daria a autonomia que eu tenho com o gás e o álcool juntos.

    ResponderExcluir
  3. seguro que en la meriva no es tán fácil por cuenta del neumático de repuesto pero en la zafira no es tan malo poner las botellas de gas bajo el piso

    ResponderExcluir
  4. eu já vi ambulância a gás mas era gás de cozinha mesmo e com o bujão por baixo do capô no sertão da bahia só que agora é cheio dessas ford da secretaria de saúde só se pudesse usar óleo nelas ficava melhor ja que os caminhões tudo usam e o povo não reclama

    ResponderExcluir
  5. Quando ainda tinha Passat táxi em Curitiba não era difícil encontrar alguns que rodavam no diesel mesmo sendo ilegal.

    ResponderExcluir
  6. essa proibicao para veiculos de 1000 kg é ridicula. o diesel é um dos "combustiveis do futuro" para carros de passeio, já aki no brasil a gnt fika preso ao etanol e gasolina (gnv pra comerciais) por causa disso. tomara que o brasil acorde antes que seja tarde demais...

    ResponderExcluir
  7. gas nem da problema + tem uns q eskecem d faze o reforso do coletor e adapitando o kit aspirado sem variador de avanso pra economisar por isso q tem tanto carro a gas dando akeles pipoko qdo anda e a suspenção estraga normalmente com o uso mesmo sem o gas

    ResponderExcluir
  8. Eu cheguei a usar gás mas não uso mais essa porcaria depois de queimar a centralina e depois ainda trincar o cabeçote. Se é pela economia eu fico com o meu Palio 1.0 na gasolina e no álcool mas não pego outro Siena 1.4 tetrafuel para pagar mais caro e gastar a suposta economia de combustível na oficina.

    ResponderExcluir
  9. É uma pena, um motorzinho VW TDi é estremamente econômico e durável

    ResponderExcluir
  10. CNG is widely used in India, and has been implemented as a replacement for diesel in public transport (buses, taxis and the autorickshaws) alongside LPG due to the total absence of particulate matter and lower NOx emissions. However, some dedicated CNG engines are actually diesel blocks with spark plugs instead of the injector tips, higher heads with thicker gaskets to get a lower compression ratio and either a regular carburettor or EFI. It's not so easy to get a large CNG truck from factory but it seems to be just matter of time. And you say about no CNG ambulances in Brazil due to space issues but in India a lot of ambulances are made dedicated CNG and there is no such issues.

    ResponderExcluir
  11. Me encanta el Opel Meriva de Don Manolo con esa librea tan distinta. Quedaria bien a los taxis de Manila.


    El etanol es malo, pero Ford ya lo haz motores flex en Santa Rosa para exportar hasta a Australia. Gas natural casi no se ve en los automóviles por las Filipinas, pero andaban hablando en los barangays acerca de convertir unos jeepneys a biometano pero lo necesitaban poner unas bujías de encendido y toda esa basura. Y estoy de acuerdo contigo, es inconceptible que lo prohiban al diesel para vehículos livianos. Y esa ambulancia Opel Kadett se ve muy bonita, aun que un tanto rara, acá hay más de las estadounidenses o yank tank como dices en tu otro blog.

    ResponderExcluir
  12. Alcol é mais limpo que a gasolina e não preciza dos bujão do gaz. Disel solta mta fulijem, tanto que tem Ducato europeu movido a gaz.

    ResponderExcluir
  13. Carro a gás não é mesmo tão bom pq demora na hora de abastecer e tira espaço útil, e ainda tem mto instalador que faz gambiarra e acaba estragando o resto do carro.

    ResponderExcluir
  14. CNG is not the worst fuel in the world as you may think. Some German vehicles like the Opel Zafira and Volkswagen Caddy can already come from the factory with a CNG setup and it doesn`t harm the safety at all. It`s more eco-friendly than regular petrol but I agree with you about the safety and ease of handling inherent to diesel. Cheers.

    ResponderExcluir
  15. A mi el gas natural siempre fue una buena opcion para uso industrial, o mismo para automóviles. Yo habia manejado unas camionetas convertidas a gas natural y son tan frugales como una diesel, con la ventaja del comfort.

    ResponderExcluir
  16. No creo que el gas natural sea la mejor opcion a todos los vehículos pero un motor diesel aun no puede tener siempre la mejor relacion peso/potencia, y entonces es posible que el gas sea adecuado. Ya hay hazta unas motocicletas hechas en China que ya salen listas a rodar con gas.

    ResponderExcluir
  17. Nunca gostei de motor a diesel por causa da fumaça que fazia mas dá uma vergonha grande de não poder ter esse tipo de motor num carro nacional. Meu falecido avô por parte de mãe tinha sido caminhoneiro e depois que se aposentou o sonho dele era comprar um daqueles Mercedes antigos a diesel mas é tão difícil de achar um que o dono queira vender que ele uns meses antes de morrer já queria fazer uma gambiarra num fusquinha usando motor daqueles de bomba de poço só pelo prazer que ele sentia de dirigir no diesel. Mas era só falar em gás que ele torcia o nariz.

    ResponderExcluir
  18. Gas was never an option for me.

    ResponderExcluir
  19. No creo que el gás LP lo iba a dañar mucho el motor como lo dicen, pero por el riesgo de explosiones quedome con el diesel.

    ResponderExcluir

Por favor, comente apenas em Português ou em Espanhol.

Please, comment only in Portuguese or Spanish.
In doubt, check your comments with the Google Translate.

Since July 13th, 2011, comments in other languages won't be published.