sábado, 16 de abril de 2011

Vale a pena usar óleo para motor 2 tempos em carro a álcool?

Há quem defenda tal prática, tanto para reduzir o efeito da corrosibilidade em partes metálicas do motor, como os dutos do cabeçote e, no caso dos modelos mais antigos com carburador, a agulha do mesmo. Outro ponto crítico que acaba sendo beneficiado é a sede da válvula de admissão, devido ao etanol (álcool) ser menos "oleoso" (a gasolina ainda tem uns traços de óleo apesar de ser basicamente um solvente, enquanto o etanol é mais puro). Essa prática já é relativamente conhecida desde a época do ProÁlcool, quando alguns proprietários de motocicletas de alto desempenho e carros importados começaram a recorrer a tal prática devido aos aumentos na dosagem de etanol à gasolina brasileira (atualmente entre 20 e 25% dependendo dos estoques reguladores e da safra da cana). O etanol acabou compensando a diminuição da resistência à pré-ignição (popular "octanagem") devido ao fim da adição de chumbotetraetila à gasolina (embora ainda seja usado na gasolina azul, restrita à aviação e algumas categorias do automobilismo esportivo), mas acaba não contribuindo para a lubrificação das sedes de válvula, e em alguns casos até acelerando o desgaste das mesmas, como em alguns modelos da Ford, que até recomenda aos proprietários de modelos flex o uso de um tanque só com gasolina a cada 5 tanques só com etanol. Extra-oficialmente, alguns mecânicos de concessionárias Ford no Rio Grande do Sul afirmaram ter conhecimento sobre casos de adição de óleo ao etanol feita por proprietários de modelos equipados com o motor Zetec RoCam nas versões flex, tanto 1.0 quanto 1.6, variando entre 2% e 10%. A meu ver, um limite seguro seria 5%, para evitar problemas com carbonização das velas de ignição, principalmente ao se usar óleos de base mineral, mais baratos e fáceis de ser encontrados. O ideal mesmo seria usar óleos de base vegetal, como o Castrol SuperKart, pois a mistura com o etanol fica mais homogênea. Vale destacar que é um óleo bastante apreciado por colecionadores e proprietários de veículos antigos com motores 2-tempos, desde motos até os famosos DKW-Vemag, justamente por ser mais adequado à composição da gasolina brasileira com adição de etanol.

5 comentários:

  1. Olá!

    Conheço pouco sobre carros e suas estruturas, mas já estou seguindo teu blog e creio que vou aprender bastante aqui.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  2. A mi nunca me ha causado buena impresion el uso de etanol para combustible. Es importante reducir la dependencia a la gasolina pero aun creo que hay opciones mas ecologicas como el biometano, y que no demanda competicion con la producion de comida.

    ResponderExcluir
  3. Meu sogro é que tem essa mania de botar óleo no álcool. Ele tem um Monza ret bem antigo e rodado mas nunca teve problema com carburador nem nada do tipo.

    ResponderExcluir
  4. Óleo de moto 2 tempos eu não vejo tanto o povo usar em motor a álcool, mas já usei querosene num Gol que eu tive.

    ResponderExcluir
  5. Utilizo oleo 2T motul800 na proporção de 2% em gasolina BR PODIUM nas motos de Motocross 2T. De vez em quando, coloco 5 litros desta mistura no tanque de minha Kawasaki VULCAN900 e completo com mais 15litros de gasolina BR GRID.O motor fica mais redondo e econômico.Lubrifica melhor o cabeçote e combate a corrosão inclusive dos escapes.Com o Etanol na proporção de 25% sai muito vapor d´água pelo escapamento e chega até pingar bastante água quando o mortor esta frio.Com o óleo 2T adicionado a corrosão diminui.Não é sempre que faço isso.Aproximadamente a cada 3 tanques de GRID acrescento no quarto tanque a mistura acima.As velas se manteem normais com ótima coloração de queima marrom clara quase cinza.

    ResponderExcluir

Por favor, comente apenas em Português ou em Espanhol.

Please, comment only in Portuguese or Spanish.
In doubt, check your comments with the Google Translate.

Since July 13th, 2011, comments in other languages won't be published.