terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Renovação de frota: até que ponto o simbolismo de status atrelado aos veículos particulares pode se tornar um empecilho?


Num país onde o transporte público costuma ser tratado com descaso tanto por operadores quanto pelo poder público que negligenciam a segurança e o conforto dos usuários, ter um veículo próprio passa a ser visto por alguns como uma necessidade e por outros simplesmente como uma questão de auto-afirmação. Dessa forma, tanto modelos com uma concepção mais simples e direcionada desde o princípio a segmentos de entrada quanto os "restos de rico" mais antigos encontram admiradores e detratores em proporções semelhantes, que também acabam refletidas nas discussões em torno de uma renovação de frota que vem sendo especulada já há quase 20 anos.

É até certo ponto previsível que a atribuição de diferentes graus de prestígio social associado à propriedade de automóveis no Brasil, abrangendo em algumas subculturas também os segmentos mais modestos e eventualmente modificações de gosto questionável, se torne uma barreira para que parâmetros mais racionais passem a nortear uma parcela mais significativa do mercado nacional. Não é tão incomum se deparar com quem ainda se empolgue com a decadente moda do tuning inspirado pelos primeiros filmes da franquia Velozes e Furiosos e pelos jogos da série Need for Speed Underground, ou quem considere que o melhor da "ostentação" seria rebaixar o veículo até que se torne praticamente inviável circular por vias públicas numa velocidade compatível com o tráfego como se estivesse no quintal de casa e ainda reagir com algum grau de infantilidade às críticas fundamentadas de quem não compartilha do mesmo gosto duvidoso. Portanto, é evidente que em aspectos como a utilidade e os custos de operação e manutenção nem sempre são vistos como uma prioridade.

A forma como motocicletas e triciclos às vezes são apontados como "inferiores" a um carro convencional também pode ser considerada um empecilho. Ainda que estejam sujeitos a normas de segurança menos rigorosas que as aplicadas aos automóveis 0km, e por conseguinte pareçam uma contradição diante de um dos argumentos mais levantados em defesa da renovação de frota que seria a possibilidade de tornar mais seguro o trânsito brasileiro, convém recordar o potencial de redução no consumo de combustíveis e nas emissões numa comparação direta com tantos veículos antigos em mau estado de conservação que permanecem rodando mesmo quando apresentam falhas graves que possam efetivamente colocar em risco a segurança não apenas do condutor e passageiros como de todos os outros usuários que estejam compartilhando a mesma via. Para quem eventualmente procure por um veículo que vá ser mais direcionado ao uso urbano, também cabe destacar a manobrabilidade em espaços mais confinados e a menor área requerida para estacionamento. No entanto, há ainda o peso da "síndrome de vira-lata" que leva o brasileiro médio a rejeitar triciclos utilitários por remeterem a estereótipos de miséria associados à Índia, embora o Brasil não venha sendo nenhum modelo de desenvolvimento ou de riqueza, e assim uma categoria de veículos que poderia até se adaptar bem às necessidades de transporte em localidades tanto nas periferias quanto nos grandes centros onde modais mais convencionais encontram dificuldades para conciliar eficiência, agilidade, conforto e segurança a um custo mais acessível.

A bem da verdade, num país como o Brasil onde muitos domicílios acabam contando com apenas um veículo que deva ser apto a atender a todas as necessidades da família, não se podem ignorar algumas limitações que se fazem notar num daqueles triciclos típicos da Índia como o Bajaj RE4S que chegou a ser importado regularmente entre 2001 e 2004 e vendido como Kasinski Táxi-Kar. Tudo leva a crer que, até mais do que o posicionamento um tanto confuso no mercado tanto com relação às motos quanto aos carros compactos e subcompactos, a falta de aptidão para eventuais percursos rodoviários representava o maior empecilho para uma parte considerável do público brasileiro. Por mais que os motores motociclísticos com cilindrada entre 125 e 200cc que equipam a maioria dos triciclos utilitários de origem asiática acabem não dando conta de conciliar a economia de combustível em operação urbana com o desempenho necessário para uma operação segura em rodovia, seria um tanto equivocado atribuir qualquer impedimento pura e simplesmente à configuração de 3 rodas como é possível constatar através da popularidade de triciclos "turísticos" usualmente baseados em conjuntos mecânicos da Volkswagen.

Os preços de automóveis de entrada também pode ser considerado um empecilho para a renovação de frota, principalmente quando a deterioração do poder de compra em função da inflação e o custo efetivo total das operações de crédito são levados em conta. Há também uma série de debates mais acalorados que abrangem tanto a margem de lucro dos fabricantes instalados no país, apontada por alguns como excessiva, quanto a carga tributária brasileira que é uma das mais elevadas a nível mundial. Embora o tamanho reduzido de modelos básicos como os subcompactos Volkwagen up! e Fiat Mobi seja um atrativo para consumidores que não dão tanta prioridade ao espaço interno e à capacidade de carga, a proposta desse nicho não é muito adequada às necessidades do público-alvo de carros "populares" que, insatisfeito também com o escasso nível de equipamentos nas versões mais acessíveis, se vê cada vez mais atraído por carros usados de outros segmentos como o Renault Mégane II ou até mesmo por soluções menos ortodoxas como motocicletas com side-car.

O caso do side-car ainda dá margem a uma discussão que vai além de tópicos recorrentes como a menor segurança inerente a motocicletas e assemelhados, passando por um grau de desprestígio que abrange tanto as motos (principalmente as de baixa cilindrada como a Honda CG) quanto usuários desse tipo de veículo na opinião pública. Por mais que os motivos que levaram a uma popularidade do side-car na Europa até o pós-guerra estejam mais vinculados às condições ambientais, como o inverno mais severo que provocava o congelamento da água de radiadores em automóveis que não fossem acomodados em uma garagem climatizada, e tanto o surgimento de aditivos anticongelantes à base de etilenoglicol quanto pela introdução de carros "populares" com motor refrigerado a ar como o Fusca tenham os tornado uma meta realista para muitas famílias tanto na Europa quanto no Brasil, os custos de aquisição, operação e manutenção menores de uma motocicleta permanecem atrativos para muitos usuários que eventualmente não pudessem ser plenamente atendidos pelas mesmas sem algum recurso para ampliar a capacidade de carga e/ou passageiros como o side-car. Até certo ponto chega a ser irônico que logo no Brasil, onde a cultura do improviso está na essência do "jeitinho brasileiro" e alçou o side-car à popularidade no transporte de cargas leves, levar passageiros ainda é tabu. Não é incomum que o equipamento tenha a praticidade questionada, ou seja apontado como "coisa de nazista" numa referência a filmes sobre a II Guerra mas, apesar da evidente falta de uma proteção contra as intempéries, ainda poderia se tornar uma opção adequada a uma parte do público que não se vê atendida pelos carros "populares" 0km principalmente devido aos custos de aquisição ao mesmo tempo que não desejasse comprometer em demasia as finanças pessoais com a manutenção inerentemente mais cara de um carro.

Convém recordar que um aspecto fundamental para qualquer proposta de uma renovação de frota defina claramente parâmetros de segurança e controle de emissões aceitáveis em um programa de inspeção veicular, bem como promover a reciclagem de componentes e estabelecer metas de redução de consumo de combustível e outros insumos fundamentadas numa eventual retirada de carros mais antigos de circulação mediante substituição por modelos mais novos. Considerando ainda o valor histórico e cultural que alguns modelos possam ter, e também o fato de muitos proprietários e operadores dependerem dos veículos não apenas para deslocamentos individuais ou familiares mas também para atividades profissionais, é importante fazer tal distinção de modo a evitar um impacto mais pesado sobre o orçamento de famílias e de pequenas e médias empresas ao evitar que a idade se torne o único pretexto para sucatear um exemplar que ainda possa ter a vida útil operacional prolongada sem representar maiores riscos à segurança viária.

Enfim, além da falta de incentivos financeiros que iriam desde um bônus na compra de um veículo novo até uma diminuição na alíquota de impostos e taxas por um determinado período, e de uma dificuldade em encontrar um 0km com alguma característica específica que atenda melhor a proprietários de certos modelos já fora de linha como a Asia Motors Towner, não se pode negar que o simbolismo de status eventualmente ainda associado a outros tantos como o Opala ainda é uma barreira a ser transposta para que a renovação de frota possa finalmente deixar de ser mera especulação.

Um comentário:

  1. Brasil é assim mesmo, viver de aparência é o que mais importa para uma grande parte da população. Tem sempre um ou outro alienado que acham feio andar de ônibus ou de carro velho mas deixam de comprar uma lata de leite em pó para os filhos na intenção de fazer sobrar o dinheiro para pagar o carnê do financiamento do carro.

    ResponderExcluir

Por favor, comente apenas em Português ou em Espanhol.

Please, comment only in Portuguese or Spanish.
In doubt, check your comments with the Google Translate.

Since July 13th, 2011, comments in other languages won't be published.