domingo, 8 de maio de 2011

(Bio)diesel e motos, uma combinação interessante

OK, falar sobre uma liberação do uso de diesel para veículos de passeio no Brasil já causa polêmica. Defender o uso em motocicletas, então, é uma excentricidade.

A verdade é que as motocicletas são constantemente associadas a uma idéia de motores leves e de alta rotação, com uma ênfase maior na potência específica que num torque elevado, enquanto o diesel é mais lembrado quando se trata de maquinário agrícola, industrial ou veículos pesados.

Entretanto, em alguns casos uma motorização a diesel pode ser interessante por vários aspectos, desde o uso de combustíveis alternativos como o biodiesel ou óleos vegetais, ou até por uma questão estratégico-militar. Menor emissão eletromagnética e mais segurança no manejo em comparação com gasolina e etanol são algumas vantagens decisivas em campo de batalha mas não são as únicas...


Sem a necessidade de se preocupar em transportar velas de ignição sobressalentes ou outros dispositivos associados e simplificando o processo logístico de combustíveis em campo, motos a diesel caíram nas graças de organizações militares como os Marine Corps americanos, que atualmente usam um modelo desenvolvido pela Hayes Diversified Technologies e equipado com motor de 670cc, injeção indireta (considerada por alguns especialistas como mais adequada para o uso de combustíveis alternativos como biodiesel) e potência e torque específicos mais próximos dos valores de um motor automotivo a gasolina (por ser específico para uso motociclístico não é de se impressionar que ainda tenha uma faixa de rotação mais elevada).

No mercado civil, porém, ainda há uma presença quase nula de motos a diesel, praticamente limitada à holandesa Track T-800 CDI e à alemã Neander. Mas isso não acaba com o entusiasmo de alguns motociclistas, que por conta própria fazem algumas adaptações em diversos outros modelos. Uma constante "vítima" da criatividade de alguns é a anglo-indiana Royal Enfield, que por ser uma das poucas que ainda vem com a carcaça do câmbio separada do bloco do motor é fácil de adaptar.


Motores estacionários/industriais de 1 cilindro na faixa de 400 a 500cc com potências entre 8 e 14hp são uma opção comum em países como a Alemanha, onde ainda há uma quantidade considerável de entusiastas do biodiesel entre os que adaptam esse tipo de motor em motocicletas. Vale destacar que a própria fábrica ofereceu uma versão movida a diesel, conhecida como Taurus, e equipada com um motor de 350cc e 6hp derivado da unidade a gasolina de 18hp, mas quando foi implementada na Índia a legislação de emissões Bharat-II, equivalente à Euro-II, tornou-se obsoleto e foi descontinuado, mas não impedindo o surgimento de adaptações com os motores Lombardini produzidos localmente para uso no Piaggio Ape ou com diversos outros pequenos motores a diesel.

Mas ainda há outras motocicletas que atraem os fãs, como as Triumph britânicas, bastante conhecidas pela oferta de motores de 3 cilindros em linha. Até a superbike Speed Triple, objeto de desejo de alguns "weekend racers", acaba sendo considerada uma opção na hora de se montar uma moto a diesel.


Para quem agora só associava motos a diesel com a aparência clássica das Royal Enfield ou a versatilidade do modelo militar da HDT, uma prova de que não é necessário abdicar totalmente da esportividade...

Mas considerando o cenário brasileiro, onde predominam modelos na faixa de 125 a 250cc, fica ainda mais difícil encontrar um motor compacto e, principalmente, leve o suficiente sem sacrificar demais a potência.

Ainda assim, existem outras categorias que poderiam estar bem servidas com motores a diesel, como as trail. O torque em baixa rotação poderia até ser extremamente vantajoso na hora de enfrentar obstáculos off-road, e considerando o uso de motores com injeção mecânica ainda é possível não ficar pelo meio do caminho em caso de falha no sistema elétrico.

Não é difícil perceber que alguns usuários de motocicleta poderiam se beneficiar com uma flexibilização nas regras brasileiras de uso do diesel, que eventualmente poderia servir até de pretexto para se ampliar a experiência com o biodiesel. A idéia do uso de uma moto off-road por uma idéia de mais contato com a natureza acaba dando mais sentido ainda à questão dos biocombustíveis...

Ainda há, no entanto, uma categoria na qual a baixa potência específica é bastante comum, as customs, cujo exemplo mais típico são as Harley-Davidson.

 

Logo, apesar da oferta no mercado mundial ser bastante restrita, motos a diesel podem ser uma boa alternativa. Sobretudo ao se usar o biodiesel...

E vale sempre lembrar: ao pilotar uma motocicleta, o uso do capacete é OBRIGATÓRIO.

10 comentários:

  1. Aun que sean un tanto peligrosas las motocicletas tambien me encantan.

    ResponderExcluir
  2. Moto a diesel fica mesmo meio estranho mas essa dos militares deve ser boa mesmo.

    ResponderExcluir
  3. Se o preço da gasolina continuar subindo desse jeito dá até vontade de meter um motor a diesel numa Tornado.

    ResponderExcluir
  4. Moto a diesel é uma aberração. Essa dos militares é até bem feita mas só vale a pena mesmo quando falta um Hummer.

    ResponderExcluir
  5. Se tivesse opção de motor a diesel na Harley-Davidson aqueles coroas harleyros podiam curtir ainda mais as viagens parando menos nos postos para abastecer.

    ResponderExcluir
  6. Numa moto pequena fica mesmo meio difícil até achar espaço para o motor a diesel, que geralmente é bem mais encorpado. Mas numa acima de 250cc já fica mais fácil tanto pelo tamanho quanto pela resistência do chassi a um motor mais pesado.

    ResponderExcluir
  7. Hay unos tantos rednecks que dicen preferir tomar los mandos de una motocicleta que manejar una camioneta con motor diesel, creo que iban a quedar lejos de una de esas motos con motor diesel.

    ResponderExcluir
  8. En una motocicleta como las que se usa en las Filipinas para armar los tricycles creo que no lo iba a ser una opcion tan viable adaptar un motor diesel, aun que hayan unos motores chinos de 1 cilindro como eses que los adaptan a las Enfield. Se poderia adaptarlos a las imitaciones de las BMW de la guerra como las Ural rusas, las Dnepr y una otra que es hecha en China pero quedaria más caro que las imitaciones de Honda 125cc y de Suzuki AX100.

    ResponderExcluir
  9. Moto a diesel? Cê só pode ser doido de achar que isso seria economicamente viável. Vai que um tiozinho harleyro entre nessa onda, mas em moto pequena ou nas esportivas não tem como fazer a diesel. Moto tem que ser leve, diesel pode ir até bem num carro como acontece na Argentina, mas em moto tem tudo para dar errado.

    ResponderExcluir
  10. O maior problema estaria na redução do peso, principalmente com relação ao motor. Entretanto, não é tão adequado dizer que é "impossível". A maior limitação para um uso mais amplo de motores a diesel em motos é a restrição na oferta de modelos de cilindrada mais baixa (até cerca de 400cc) a faixas de potência e torque menos adequadas a um bom desempenho urbano e rodoviário. A partir de 500cc, como nos motores usados em alguns "quadriciclos qualificados" disponíveis no mercado europeu, já se tem algumas opções que permitem um desempenho mais satisfatório.

    ResponderExcluir

Por favor, comente apenas em Português ou em Espanhol.

Please, comment only in Portuguese or Spanish.
In doubt, check your comments with the Google Translate.

Since July 13th, 2011, comments in other languages won't be published.