segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

Momento nostalgia: caminhões Isuzu/GMC

Entre os anos de 1995 e 2002, a atualmente inativa divisão de caminhões da General Motors do Brasil passou a usar a marca GMC, caso único na América Latina e até certo ponto bastante incoerente, visto que a marca Chevrolet apresentava-se devidamente consolidada no mercado local. Entretanto, seria injusto esquecer dos excelentes caminhões Isuzu importados do Japão que foram comercializados pela GM durante aquele período...

Isuzu NPR/GMC 7-110: até hoje considerado por alguns operadores como o melhor caminhão na faixa das 7 toneladas de PBT, trazia algumas características que o diferenciavam da concorrência de fabricação nacional, como o trambulador a cabo que permitia bascular a cabine independentemente da posição em que a alavanca de câmbio estivesse selecionada, além do motor Isuzu 4HF1 de 4.3L e 110cv com comando de válvulas no cabeçote (OHC), quando em modelos de outros fabricantes predomina o comando no bloco (OHV). E apesar de manter potência compatível com a categoria, não chegava a recorrer ao turbocompressor. Em outros mercados sul-americanos, mais notadamente Colômbia, Chile, Equador e venezuelixo Venezuela, ainda é comercializado como Chevrolet NPR e oferecido com cabine reestilizada e motores atualizados, como o 4HK1-TCN de 5.2L.

Isuzu NLR/GMC 5-90: situado numa faixa de PBT intermediária entre caminhonetes como a Hyundai HR e modelos como o já citado NPR/7-110, usava no mercado brasileiro o motor 4JG2 de 3.2L e 90cv, com injeção indireta e sem turbo. Ainda foi oferecido até pouco tempo atrás no Uruguai, mas já com o motor 4JB1-TC de 2.8L e 91cv, com injeção direta, turbo e intercooler.

Isuzu FTR/GMC 15-190: ao contrário de versões destinadas a outros mercados sul-americanos, que o recebiam com motores da própria Isuzu, vinha com o problemático claterpillar Caterpillar 3126B de 7.2L e 190cv também usado em versões de especificação americana e canadense, que além do turbo e intercooler adotava um complexo gerenciamento eletro-hidráulico do sistema de injeção.

A instabilidade cambial foi muito citada como um dos fatores que levaram ao fim da importação dos modelos, mas deve-se lembrar que foi naquele período que as normas de poluição Conama fase 4, análogas à Euro-2, passaram a vigorar, e tanto o NPR/7-110 quanto o NLR/5-90 necessitariam de algum upgrade e por conseguinte ficariam com um custo menos competitivo, visto que estavam certificados na Euro-1...

22 comentários:

  1. Por favor nos ajude a divulgar este blog que busca uma reparação de lucros cessantes, por um acidente que está impedindo um colega caminhoneiro de trabalhar e aferir renda, por conta de a CCR NOva Dutra, não reconhecer o direito a esta indenização, que obriga a todos os caminhoneiros e usuários da rodovia, que venham a ter algum prejuizo causado por mas condições nas estradas, a recorrer a justiça e ficar muitos anos esperando por uma indenização justa.

    Amigos, só com muita pressão conseguiremos rever estas posturas das concessionarias que administram pedágios em nossas estradas;
    http://novadutra.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A bem da verdade eu sou contra os pedágios, com o tanto de imposto que os governos federal, estaduais e municipais arrecadam é um absurdo que a situação das estradas seja uma pouca-vergonha como vem sendo.

      Excluir
  2. Tenho um 7-110 mas troquei o motor pelo do Mercedes-Benz 710. Só não me acertei agora com o compressor do ar condicionado, daí tive que tirar.

    ResponderExcluir
  3. Vi uns caminhões chineses parecidos com esse 7-110 e esse 5-90, mas usavam um motor 2.8 copiado da própria Isuzu. Se tivessem posto o motor da S10 no 5-90 e no 7-110 podia ter resolvido o problema na época sem precisar investir muito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Embora no 7-110 eu fosse preferir um motor de baixa rotação, até que o MWM Sprint 4.07TCA não seria mesmo de todo ruim.

      Excluir
  4. Se o Ford Cargo ainda usa aquela cabine velha no modelo menor, não teria tanto problema se a GMC continuasse usando essa cabine. Até tem uns modelos com cabine mais recente em outros países, mas essa ainda foi a cabine mais confortável que eu já vi num caminhão pequeno.

    ResponderExcluir
  5. Mas esses caminhões ainda rodam por ai, vejo um monte!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas ultimamente não tem sido mais tão fácil ver um ainda em operação como a alguns poucos anos atrás.

      Excluir
  6. E' muito facil resolver o problema do 15190,transformei o motor eletronico p/ mecanico e ainda aumentei a potencia do motor 190 cv p/ 240 cv sem remover o motor do lugar gastando pouco.

    ResponderExcluir
  7. ola, estou procurando um cabecote de motor isuzu, aplicado numa maquina case modelo do motor 4JJ1X.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mais fácil trazer do exterior mesmo. Esse motor é usado em algumas versões mais recentes da série N (Nhr, NKR, NLR, NMR e até no NPR Eco-Max que é vendido nos Estados Unidos), e nas pick-ups Isuzu D-Max, que em alguns países sulamericanos chegaram a ser vendidas como Chevrolet LUV D-Max, inclusive no Uruguai, Paraguai e Colômbia. A propósito: como a Case é do mesmo grupo da Fiat/Iveco, acho até estranho não usarem o motor da Iveco Daily ao invés de um motor Isuzu...

      Excluir
  8. alguém tem uma tabela de torque de cambota (virabrequim) dos motores da GMC isuzu

    LEONARDO

    ResponderExcluir
  9. Pq esses caminhões gmc são tão baratos? São tão ruins assim? Difícil de achar peças? Seria pq? Alguém sabe?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na verdade os caminhões Isuzu que foram vendidos por aqui como GMC figuram entre os melhores da categoria a nível mundial, tanto que são líderes de mercado em muitos países com condições de rodagem tão duras quanto as brasileiras. Mas já não é mais tão fácil achar algumas peças originais deles, além da GM não dar mais suporte técnico. Ainda assim, para quem não se importa com facilidade de revenda, ainda são uma boa opção.

      Excluir
  10. Ola tenho gmc 7110 na plataforma e sou fã deste caminhão mas to com vondade de trocar o motor por da 710 PLUS alguem pode me informar se da para colocar este motor sou de Araranguá sc

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. No caso, o motor Mercedes-Benz OM364LA. É possível adaptar, mas é interessante comparar as faixas de rotação de potência e torque máximo dos motores e eventualmente avaliar também uma alteração na relação do diferencial e/ou do câmbio.

      Excluir
  11. pagina no facebook destinado ao GMC Isuzu 7.110
    https://www.facebook.com/groups/147118642431112/?fref=ts

    ResponderExcluir
  12. Olá boa tarde
    Tenho um GMC7110 99
    Adaptei um motor MWM 229 4C
    Pretendo adaptar um diferencial do MB608/80 Sera que fica bom?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Será? Mas e o câmbio, manteve o original Isuzu?

      Excluir
    2. Amigo eu tenho caminhao 7110 troquei motor coloquei motor s4tplus e diferencial da 710 e eixo dianteiro a disco tambem 710 o diferencial não tem adaptação o eixo dianteiro cortei mais te garanto ficou muito bom de freio e economia pois faço 8 por litro. ARARANGUA SC 16 DE ABRIL 2017

      Excluir
  13. Se encontra esses NPR em toda esquina na Austrália

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Até onde eu me lembre, a Isuzu é líder desse segmento por lá.

      Excluir

Por favor, comente apenas em Português ou em Espanhol.

Please, comment only in Portuguese or Spanish.
In doubt, check your comments with the Google Translate.

Since July 13th, 2011, comments in other languages won't be published.