sábado, 11 de junho de 2011

Quais seriam motivos plausíveis para preferir o uso de hub-motors no eixo traseiro de um modelo como o Toyota Prius ou o Ford Fusion Hybrid ao invés de acoplar um único motor elétrico ao transeixo dianteiro como se faz atualmente?

Uma das vantagens que vem sendo atribuída à tração elétrica é a possibilidade de se eliminar algumas perdas por atrito, justamente pelo uso dos hub-motors acoplados diretamente às rodas que se deseje tracionar, dispensando um sistema de transmissão tradicional que ainda acrescenta peso e complexidade de manutenção.

Ainda que em alguns casos usar 2 hub-motors no eixo traseiro possa representar um acréscimo de peso ligeiramente maior no veículo do que simplesmente acoplar um único propulsor elétrico à transmissão convencional usada no eixo dianteiro, passa a apresentar algumas vantagens tanto por diminuir a demanda por energia acumulada na(s) bateria(s) tracionária(s) durante os momentos em que a tração do veículo é realizada somente pelo sistema elétrico, devido à anulação de perdas por atrito já citada, como também na maioria dos casos em que se inicia a movimentação do veículo ocorre uma transferência de peso em direção ao eixo traseiro por ação da aceleração gravitacional, e tanto no Toyota Prius quanto no Fusion Hybrid e outros veículos que usam um layout similar no sistema de tração em baixas velocidades a atuação do motor elétrico é mais intensa.

Outro aspecto que eu considero de extrema relevância é a dirigibilidade em condições mais críticas de pavimentação e em aclives. Nessas circunstâncias, mesmo em velocidades mais altas seria adequado o auxílio da tração elétrica às rodas posteriores, tanto por reduzir o consumo do motor a combustão interna quanto por melhorar a segurança e estabilidade ao se dirigir na neve tão comum nos rigorosos invernos americano e japonês, por exemplo, e devido a uma transferência de peso mais acentuada em direção à traseira ao se enfrentar um aclive acaba havendo uma compensação pela redução da concentração de peso sobre o eixo principal de tração, melhorando tanto o consumo de combustível pelo motor principal quanto a dirigibilidade. E com todo o interesse de alguns setores políticos dos Estados Unidos em tornar obrigatório o uso de controle eletrônico de estabilidade nos veículos novos, não ficaria tão difícil ajustar os parâmetros que permitam regular com mais precisão o auxílio da tração elétrica em situações críticas...

9 comentários:

  1. Eu não me lembro deste acidente, não havia nascido ainda. Pena que aconteça acidentes assim todos os dias.
    Obrigada pelo comentário, é sempre muito informativo. Bjs

    ResponderExcluir
  2. Um bom veiculo elétrico tem que ser eficiente ao máximo só assim pode se tirar um proveito maior das baterias e eliminar perdas é uma delas.

    ResponderExcluir
  3. No iba a quedar mal un sistema con hub-motors. Aun que lo quede un poco más pesado la asistencia electrica es más efectiva.

    ResponderExcluir
  4. Eu acho também muito interessante o uso de hub-motor para montar um carro elétrico o em carro híbrido. Não só especialista em motor elétrico mas eu ouvi falar que a eficiência dos motores elétrico depende da velocidade de rotação, tendo a baixas velocidades menor eficiência. Será que isso vale também com os motores usando imãs permanentes?
    Eu também estou na dúvida com a respostas de um carro com rodas mais pesadas, a roda deve "colar" menos no chão. Pelo menos, já observei esse problema com uma bicicleta, motor de cubo na roda dianteira com suspensão. A roda parece demorar a voltar no chão depois de uma oscilação. Talvez isso tem a ver com o período de oscilação de um sistema mola-massa que é proporcional a raiz quadrada da massa? Qual seria a diferença de peso entre roda comum e com motor embutido nesse caso?

    ResponderExcluir
  5. Eu nunca tinha ouvido essa história de que a baixas velocidades a eficiência de um motor elétrico seria menor, até considero que seja o oposto devido à resistência do ar a velocidades superiores a 80km/h. Quanto à roda demorar mais a voltar a ter contato com o solo, eu nunca tinha observado esse problema nem tenho idéia da causa. Mas a diferença de massa não-suspensa com os hub-motors varia bastante, em alguns casos podendo beirar os 30kg para cada roda.

    ResponderExcluir
  6. Alguém me fale sobre o desempenho de hub motors em terrenos alagados, lama, chuva intensa, poças d'água. Gostaria de saber se já há estudos sobre condições em que a roda motor fique submersa, ainda que momentaneamente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já vem sendo usados comercialmente em alguns daqueles supercaminhões usados em áreas de mineração, além de algumas viaturas militares também usarem esse sistema. O ponto mais crítico é a estanqueidade, mas já tem soluções adequadas.

      Excluir
  7. Ok, cripple. Obrigado pelo esclarecimento, apesar de não ter ficado claro para mim a estanqueidade já que para que algum motor funcione bem em condições de presença de água intensa, é necessário que este motor seja estanque. Quais seriam estas tais soluções adequadas? Obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Geralmente a vedação tem que ser feita com algum material flexível, por exemplo anéis de borracha, e a carcaça do motor também tem que ser bem justa, com poucas folgas por onde possam haver infiltrações. A propósito: motores elétricos são usados até em submarinos...

      Excluir

Por favor, comente apenas em Português ou em Espanhol.

Please, comment only in Portuguese or Spanish.
In doubt, check your comments with the Google Translate.

Since July 13th, 2011, comments in other languages won't be published.