sexta-feira, 26 de julho de 2013

Clássico moderno: Daihatsu Mira

Durante a década de 90, com a reabertura das importações e o modismo dos carros "populares" ganhando espaço, um modelo que teve uma breve passagem pelo mercado brasileiro foi o Daihatsu Mira japonês, que por aqui foi comercializado como Daihatsu Cuore. Além de ter o posto de condução montado à esquerda ao invés da posição original à direita, outra diferença para as versões destinadas ao mercado doméstico japonês (JDM) era a motorização, contando apenas com um motor de 3 cilindros, 6 válvulas e comando simples no cabeçote (SOHC) de 800cc e 40cv, enquanto no Japão dispunha de motores de 660cc com opção entre aspiração natural ou turbo, podendo levar a potência ao limite de 64cv imposto pela legislação de lá aos kei-jidosha, além de opções por câmbio automático ou tração integral que aqui ficaram indisponíveis.
Apesar de ser 22cm mais curto que um Ford Ka de 1ª geração, pode-se notar claramente os efeitos da racionalização da plataforma de carga tão valorizada pelos metódicos japoneses, beneficiando o espaço interno. Convém ressaltar que, ao contrário da legislação tributária brasileira que limita apenas a cilindrada de forma arbitrária, sem respeitar outros critérios técnicos, os kei-jidosha tem as dimensões limitadas a um máximo de 3,4m de comprimento, 1,45m de largura e até 2 metros de altura, além do limite de cilindrada até 660cc e potência até 64cv já citados.
Em função da menor fartura de recursos minerais, racionalizar o uso dos materiais foi decisivo para o progresso da indústria japonesa de um modo mais geral. Assim, mesmo com a cilindrada ainda mais modesta que nos "populares" brasileiros, as carrocerias ficam leves o suficiente para não sobrecarregar demais o motor. Diga-se de passagem, um Daihatsu Mira pode pesar menos de 700kg em algumas versões mais simples, e alcançar médias de consumo próximas dos 20km/l mesmo em tráfego urbano. Na prática, considerando a menor quantidade de energia a ser gasta para beneficiar uma maior quantidade de matérias primas e uma extração mineral menos intensa do que a necessária para produzir um automóvel híbrido 0km com consumo numa faixa próxima, a "performance ambiental" ainda é mais favorável ao modelo da década de 90.

Um comentário:

  1. A parte chata de ter um Daihatsu Cuore é achar algumas peças, tanto que o meu eu já comprei todo cheio de coisa adaptada de carro nacional. Mas por R$5.000,00 eu acho que não encontraria nada melhor e mais fácil de estacionar.

    ResponderExcluir

Por favor, comente apenas em Português ou em Espanhol.

Please, comment only in Portuguese or Spanish.
In doubt, check your comments with the Google Translate.

Since July 13th, 2011, comments in other languages won't be published.